Jangada Brasil – setembro 2002 – nº 49 – Edição comemorativa de 4º aniversário

O FOLCLORE DOS VEGETAIS: A CANA-DE-AÇÚCAR

 

 

Renato Almeida

Não lhe vou falar da importância da cana-de-açúcar, determinante de um ciclo na história do Brasil, e que, sendo econômico e social, também é densamente folclórico. Não é a planta em si, é tudo que motiva, o banguê, o engenho e a usina. É o centro da vida colonial, a casa grande e a senzala, e, além do mais, o açúcar, alimento básico de nossa vida e de toda a doçaria. A industrialização do fabrico do açúcar tirou à cana esse imenso prestígio popular, mas o que vem dela e o que lhe é devido, é imenso.

Ainda há muita coisa a ver nos canaviais e nos engenhos e usinas. O fenômeno, porém, não é de ordem folclórica, mas histórico e social: se, porém, a região de sua coleta for açucareira, deve ver o folclore que persiste.

Como sempre, se se tratar de levantamento geral, observar todos os fatos, mas com particular atenção os que disserem respeito à cana e ao açúcar. Observe, sobretudo na região nordestina do açúcar, as cantorias, as versalhadas, as emboladas e cocos do tipo

Engenho novo, Engenho novo

Bota a roda pra rodá!

ou então

O meu engenho
É de Humaitá,

É de Humaitá,

É de Humaitá.

As adivinhas, como aquela: “que é, que é? tem pé, porém não anda; tem olho, porém não vê; tem junta, porém não se ajoelha; tem cabelo, porém não se penteia.” Não preciso dizer que é uma engenhosa descrição da cana. E as superstições dos canaviais e dos engenhos e usinas, os signos protetores, os nomes que dão às peças do mecanismo, aos utensílios e pertences. As estórias e causos. E as lendas. Muito conhecida é aquela que explica a origem do açúcar e da aguardente, que se conta assim: Nosso Senhor andava pelo mundo e certo dia, morto de fome e de sede, dia de calor bravo, sentou-se embaixo de um canavial para repousar. Descansou, chupou uns gomos de cana, matou a sede e ao sair abençoou as canas, para que dessem um alimento bom e doce aos homens. E assim veio o açúcar. Acontece que, no mesmo dia, o diabo saiu das caldeiras de Pedro Botelho, com os chifres e o rabo pegando fogo. Deu no mesmo canavial, onde se espojou. As canas lhe atiraram pêlos que deram nele uma coceira tremenda. Chupou um gomo da cana, mas o caldo estava azedo, caiu-lhe no goto e lhe queimou as goelas. Ficou uma fera e amaldiçoou a cana, e disse que os homens dela tirariam uma bebida tão ardente como o fogo do inferno. E daí veio a cachaça.

Veja se ainda fazem as festas da botada e da peja, início e fim da moagem, que era celebrada não só pelos donos dos engenhos, como pelos trabalhadores, havendo também a bênção dos canaviais e da maquinaria, São manifestações de ritos agrícolas e convém registar o que hoje se encontre, porque a usina vai tornando o fabrico do açúcar uma indústria como outra qualquer.

O número de quadras populares sobre ou apenas com referência à cana, ao açúcar, à cachaça, ao melado, ao engenho é muito grande, deste e de outros tipos:

Senhor de engenho me disse
Que eu não comesse melado;
Eu já fui senhor de engenho
De açúcar mascavado.

Também em cantorias, desafios, romances, modas, em suma, em diversas formas lírico-narrativas, bem assim em ditos e provérbios, encontramos referências à vida açucareira. E é natural, porque, como já disse, girando o grupo humano em torno de uma atividade, se cria o folclore com relação à mesma, muitas vezes em meras adaptações de formas tradicionais. Não insisti na cachaça, sobre a qual existe um verdadeiro ciclo, porque a ela me refiro nas bebidas. Também não falo de rapadura, nem do emprego do açúcar na doçaria, matéria do capítulo relativo à alimentação. Tampouco ao uso comum, e já mencionado, do açúcar como remédio.

Por fim, encerro com uma anedota, recolhida na baixada fluminense, por Joaquim Ribeiro, autor de notável estudo sobre o Folclore do açúcar, que a ouviu de um tapiocano e assim a registou, nesse seu trabalho:

“Dizem que as abêias cunversam toda veiz que os home levantam moenda:

— Pra que esse mundo de coisa?

— Pra que tanta gente?

E a mais veia das abêia, fazendo mofa:

— Esses home são burro. Ainda não aprendero fazer mé…

(Almeida, Renato. Manual de coleta folclórica. Rio de Janeiro, Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro, 1965, p.114-116)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.