Jangada Brasil, a cara e a alma brasileiras
Edição do Mês | Edições Especiais | Edições Anteriores | Tema do Mês | Temas Anteriores | Por Autor | Por Artigo | Por Seção |
Junho 2006 - Ano X - nº 91

Sumário

Festança
São João no velho São Paulo
Gabriel Marques

Os três santos de junho
Reginaldo Guimarães

Tradicionalismo folclórico da fogueira: o bumba-meu-boi junino
Manuel Balbino de Barros

Cancioneiro
Noite de São João
W. R.

Quadrinhas conceituosas

Quadrinhas amorosas populares

Imaginário
Zumbi de cavalo
Ademar Vidal

Curupira
Ermano de Stradelli

A lenda do gambá e a besta
Lindolfo Gomes

Colher de Pau
Cozinha hoje é local de muito trabalho
Ilídia Silva

Quitutes e costumes folclóricos do mês de junho
Elisabeth Resende Ribeiro de Paiva

Pedidos de canjica
Hildegardes Viana

Oficina
Mutirão: trabalho, recreação, fraternidade
Joanye D'Oliveira

Cantiga dos canoeiros do Amazonas
Richard Bates

As mulheres mendigas
João do Rio

Palhoça
Centelhas do folclore sulino mato-grossense
Arlinda Garcia

Festas do povo
Washington Frazão Braga

São João
Jorge Americano

Panacéia
Ainda as nossas superstições religiosas
Rolando de Serigi

Adivinhas e tradições das festas juninas

As promessas
Carvalho Deda

Veja o que foi publicado em festança
Apoio Cultural
Simplicitate Design

Veja como sua empresa pode apoiar a nossa iniciativa.

Festança
Textos sobre festas populares, religiosas e profanas; folguedos; danças; datas comemorativas; instrumentos musicais...

Tradicionalismo folclórico da fogueira: o bumba-meu-boi junino

Manuel Balbino de Barros

Certamente o leitor achará exótico o subtítulo, interrogando: Meu Deus! o bumba-meu-boi não é um bailado do ciclo do Natal devendo ser incinerado no dia seis de janeiro?

Já foi exclusivamente. Agora, essa tradicional folgança se exibe em nosso meio pelo carnaval, nas festas juninas etc., fora da época histórico tradicional, e ninguém duvide que o boi-dos-reis venha a lançar futuramente, até em feiras aliás de tão popular que se nos apresenta.

No Rio Grande do Norte existe a prática da queima do bumba-meu-boi, no dia de Reis, quando se reúnem todos do popular bailado e jogam à fogueira quase todo o material de que se serviu o auto, se bem que essa brincadeira constitui um meio de ganhar o pão para os seus componentes, no período de sua exibição. Só escapam ao fogo cabeças dos bichos como as do bode e do boi, talvez, por ser difícil de se encontrarem outras, munidas de chifres grandes e resistentes bem como a de jaraguá e outras além dos espelhos que ornamentam as damas e os galantes.

É que essa folgança veio do Velho Mundo para o Brasil, onde tem sofrido profundas modificações tanto no que concerne aos personagens como no que diz respeito aos cânticos, loas etc. Os que brincam e se formaram nas caatingas ou sertões nordestinos têm que diferir dos que nascem pelos litorais, pelas zonas da mata e pelas metrópoles...

Assisti, no dia 23 de junho findo, ao bumba-meu boi de Antônio Pereira, dirigido pelo folclorista Sebastião Lopes, e que se exibiu na sede da Sociedade Folclórica de Apicucos, durante os festejos juninos deste ano, tendo se apresentado as seguintes figuras ou personagens: o boi, o cavalo-marinho ou capitão (o manda-chuva do folguedo) a burra caiu (burrinha), a ema, o babau, o morto-carregando-o-vivo, o pigmeu, o Mateus e o Sebastião.

Todas as figuras dançaram de uma só vez ao contrário no interior conforme presenciei no Rio Grande do Norte onde se sucedem as representações, saindo o jaraguá, o bode, o cavalo-marinho, o gigante (com sua inseparável mulher de duzentos anos), a burrinha, o engenho, o boi bem assim sucessivamente, outras figuras dramáticas e tradicionais havendo lá sempre o sacrifício do boi.

Antônio Pereira forneceu-me a relação das figuras bichos e personagens que compõem o seu bumba-meu-boi completo que são além dos que brincaram em Apipucos: o Mané-Pequenino, a pastorinha, o romeiro, o bêbado do Romeiro, o valentão, o queixoso, o mestre-tear, a Catarina, o doutor engenheiro, os cincos criados do doutor engenheiro, o fiscal, o guarda, o professor (para ensinar humoristicamente aos negros), o barbeiro (que corta os cabelos do Mateus e do Sebastião), o Mané-Gostoso, a baiana, o caboclo da meia-noite, o diabo e o vaqueiro.

Disse-me, ainda Mestre Antônio Pereira, que faz 55 anos que brinca e dirige bumba-meu-boi, e que foi a São Paulo, tendo brincado no Teatro Colombo e na fazenda Matarazzo, em 1954, sendo a sede do seu boi nos Afogados, nesta capital.

No estado do Rio Grande do Norte conforme verifiquei in loco são mais comuns nesse interessante bailado as seguintes figuras ora diferentes de nome, ora em personagens: o boi, o bode, a burrinha (Zabelinha), o jaraguá, o lagartão, o cavalo-marinho, o urubu, o engenho, o fantasma, o Mateus, o Birico (palhaço tipo vaqueiro de máscara de pele de bode, barbada e nariguda, dançador como o Mateus), a velha (Nanã), a caboclinha, o sisudo (que não fala, nem dança), o padre, o doutor, o fiscal, três damas e três galantes, o mestre, o contra-mestre, o gigante (cabeça, o caipora, o urso, o velho etc.

Se esse bailado tradicional não é originário do Nordeste brasileiro, pelo menos nele já foi introduzido um sem número de figuras, loas e cânticos regionais, formando um interessante sincretismo. As seguintes loas que anotei em Ceará-Mirim, (Rio Grande do Norte) em eloqüentes declamações do mestre, do Birico e do Mateus de um bumba-meu-boi a que assisti justificam:

O mestre:

Eu não conheço esse homem,
Nem que ele seja um barão
Que cumpre sua palavra,
Com dinheiro de algodão...

O Birico:

Pra dá hora só nambu,
Pra gritá só garapu.
Pra dá leite pelas costas,
Só o sapo cururu.
Pra te querê bem só eu,
Pra me desprezar só tu.
Não me tragas enganado
Meu santo do oio azu...

O Mateus:

Eu vinha de Baixa-Verde
Com destino a Taipu
Trazendo meu matulão
De couro de caitetu
De leite bom do sertão
Trazia a cabeça cheia
Até com o elo do pé
Eu via teu rasto na areia.

Eu vinha galopeando
No meu cavalo alazão
O cavalo deu um lombo
O Birico foi ao chão...

E quando o boi ressuscita dança novamente para a despedida, todos entoam ao som rebeca (rabeca), que é um instrumento inseparável do bois-dos-reis do estado potiguar:

Despedida, despedida
Quem se despede sou eu
Adeus, damas e galantes
Adeus, Birico e Mateus.
Meu sinhô dono da casa
Plantai a cana caiana
Quanto mais a cana cresce
Mais aumenta a vossa fama,
Se o povo preguntá
Quem passô neste lugá
Diga que foi os três reis:
Brechó, Gaspá, Batazá (Melchior, Gaspar, Baltazar).
Meu sinhó dono da casa
Já ganhemo o seu dinheiro
Adeus até para o ano.
Na entrada de janeiro...

Preferimos que o bumba-meu-boi seja exibido fora da época histórica a desaparecerem como tende juntamente com outros autos populares que já estão em franca decadência como o pastoril, exibição que teve sua origem em dramas litúrgicos e que tantos "sururus" ocasionava no Recife antigo, com suas mestras e contra-mestras dirigindo os cordões azul e encarnado, os congos, as lapinhas a ciranda (ou cirandinha), os fandangos ou cheganças etc., que tanto abrilhantavam os festejos do Natal como uma tradição da nossa vida folclórica...

(Barros, Manuel Balbino de. "Tradicionalismo folclórico da fogueira: o bumba-meu-boi junino". Diário de Pernambuco. 21 de julho de 1957)

Home | Revista | Catavento | Almanaque | Realejo | Downloads | Colaborações | Mapa do Site
Assine nosso boletim | Central dos Leitores | Expediente | Apoio Cultural
Jangada Brasil © 1998-2009. Todos os direitos reservados. | Fale Conosco | Termos e condições de uso