Ilustração de Marcos Jardim

Negrinho do pastoreio

"Só para três viventes ele olhava nos olhos: era para o filho, menino cargoso como uma mosca, para um baio cobos-negros, que era o seu parelheiro de confiança, e para um escravo, pequeno ainda, muito bonitinho e preto como o carvão e a quem todos chamavam somente o Negrinho.

A este não deram padrinhos nem nome; por isso o Negrinho se dizia afilhado da Virgem, Senhora Nossa, que é a madrinha de quem não a tem."
(João Simões Lopes Neto)

 

Escravo, órfão, o menino pertencia a um fazendeiro rico, cruel e arrogante. Maltratado por todos, principalmente pelos filhos do senhor, sofreu inúmeros castigos e barbaridades. Ao perder a tropilha de cavalos de seu amo, foi surrado sem piedade. Seu corpo moribundo foi, então, jogado à boca de um enorme formigueiro, para que as formigas o devorassem. No dia seguinte, o fazendeiro, atormentado, correu ao local e não mais encontrou o supliciado. Em vez disso, viu Nossa Senhora e o Negrinho, seu afilhado, são e feliz, montado em um cavalo baio, pastoreando uma tropilha de cavalos invisíveis.

O Negrinho do Pastoreio é mito de origem gaúcha, com fundamentos católicos e europeus, divulgado com finalidades morais. A compensação e redenção divinas  aos sofrimentos terrenos. A tradição popular concedeu-lhe poderes sobrenaturais, canonizando-o. Possui inúmeros devotos. Afilhado da Virgem, encontra objetos perdidos, bastando prometer-lhe um toco de vela que será dado à madrinha. Em algumas versões, oferece-se também, um naco de fumo para o menino.

Baseado no mito popular, Augusto Meyer criou a seguinte Oração ao Negrinho do Pastoreio:

Eu quero achar-me, Negrinho!
(Diz que você acha tudo)
Ando tão longe, perdido...
Eu quero achar-me, Negrinho:
A luz da vela me mostre
O caminho do meu amor

Negrinho, você que achou
Pela mão da sua madrinha
Os trinta tordilhos negros
E varou a noite toda
De vela acesa na mão
(Piava a coruja rouca
No arrepio da escuridão
Manhãzinha, a estrela d'alva
Na voz do galo cantava
Mas quando a vela pingava
Cada pingo era um clarão)
Negrinho, você que achou
Me leve à estrada batida
Que vai dar no coração

(Ah! os caminhos da vida
Ninguém sabe onde é que estão!)

 

Referências bibliográficas

Azambuja, Darci. "Negrinho do pastoreio". Província de São Pedro; revista de difusão literária e cultural. Porto Alegre, Livraria do Globo, setembro de 1945, p.107-109 < www.jangadabrasil.com.br/revista/ >

Callage, Roque. No fogão do gaúcho. Porto Alegre, Ed. Livraria Globo, 1929

Cascudo, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, 1954 | 9ª edição: Rio de Janeiro, Ediouro, sd

Cascudo, Luís da Câmara. Geografia dos mitos brasileiros. 2ª ed. São Paulo, Global Editora, 2002, p.328-334

Damasceno, Athos. "Negrinho do Pastoreio; transposição poética da lenda colhida por J. Simões Lopes Neto". Província de São Pedro. Porto Alegre, Editora Globo, março de 1947, nº 8, p.53-56

Lopes Neto, João Simões. Contos gauchescos e lendas do Sul. < www.jangadabrasil.com.br/fevereiro/im60200b.htm >

Lopes Neto, João Simões. Simões Lopes Neto; contos e lendas. 2ª ed. Rio de Janeiro, Editora Agir, 1960. Nossos Clássicos, 5

A. O. "Coisas do folclore brasileiro: Negrinho do Pastoreio". O Dia, Rio de Janeiro, 30-31 de dezembro de 1962, terceiro caderno, p.2

"Negrinho do Pastoreio". Revista Esso, novembro-dezembro de 1951

"Oração ao Negrinho do P, em Morais, Carlos Dante de. "Augusto Meyer e a infância". Província de São Pedro. Porto Alegre, Editora Globo, dezembro de 1949, nº 14, p.76

"Conversa pequenina". O Jornal. Rio de Janeiro, 21 de julho de 1963, suplemento feminino

"Negrinho do Pastoreio: o santo homem do campo". Gazeta Comercial, 06 e 13 de novembro de 1966

Índice | Pesquisa | Central do Leitor | Expediente | Contato | Mapa do site | Termos e condições de uso

Jangada Brasil © 1998-2005