Jangada Brasil

Linguagem popular em São Paulo

 

Arranchar: acampar, estabelecer moradia, fixar-se (vem de ranchoe se origina do linguajar tropeiro)
Arribar: chegar (a expressão chegue é usada no sentido de entar na casa)
Assuntar: perguntarm inquirir, também meditar
Assustado: baile de improviso, função

Banzé: desordem, briga, confusão
Batuta: excelente, ótimo. Usado para dar nome a animais domésticos.
Biriba: o mesmo que caipira ou tropeiro. Também é um jogo de cartas
Bizarria: esforço, bravura, valentia. Como vai essa bizarria?
Boneca: espiga de milho madura. O milharal fica então embonecado
Breganhar: substantivo e verbo. Troca, barganha

Cacunda: costas, ombro, corcunda
Cadê: forma popular, interrogativa corrente, empregada no sentido de “que é de”, “onde está”
Cafundó: lugar distante, ermo, desértico. Morar no cafundó, ir para o cafundó. Curiosamente tornou-se um nome de família.
Caipirismo: coisa, mancada, atitude de caipira. Caipirada
Calumbo (calombo): inchação, protuberância, acidente do terreno
Cambito: pau para amarilho, perna fina
Carne-de-vaca: coisa muito comum, vulgar, banal
Casamento de espanhol: sol e chuva
Casamento de raposa: sol e chuva
Catinga: mau cheiro, fedor
Catingueiro: capinzal que cresce em lugares altos, a salvo da geada; outro nome do veado campeiro
Cheiro de história(s): vaidoso, enjoado, complicado
Chucro: bravo, não domado, ignorante
Chupim (chopim): parasita. Marido de professora
Coco: armadilha para peixe
Colher-torta: intrometido, não chamado à conversa. “Não bota a cuié torta, muié” (Cornélio Pires)

Dependura (estar na…): sem dinheiro, pronto
Diacho: diabo, amolação. Que diacho!
Direito (dereito): sério, correto; moça direita
Direitura: indicativo de rumo, direção

Empinar: corcovear o cavalo; levantar, erguer no espaço
Esganação: apetite, gula, devorar o alimento com sofreguidão (esganado)
Estrupício: desordem, barulho, chatice

Família (famia): os filhos. É sua família (seu filho)?
Farofa: gabolice, contar garganta
Faxina: mato sujo; limpeza (termo de origem militar)
Folgazão: mestre de reza, violeiro
Função: baile, fandango

Grana: dinheiro (italianismo)

Historiada: coisa complicada

Impacado (empacado): cavalo ou boi que não sai do lugar
Impipocado (empipocado): criar pipocas ou borbulhas na pele. Próprio dos variolosos.

Jacá: cesto ou bruaca de taquara
Juda(s): substantivo e adjetivo de remota conotação anti-semítica. Traidor, palhaço, falso. Boneco de pano malhado na Aleluia. “Malhar o judas“.

Levado: peralta, moleque; moça leviana (levada)

Mal (O): designação popular da lepra, evitando a palavra terrível
Matungo: cavalo velho ou lerdo
Mecê: Vossa Mercê; você (ocê)
Moça: jovem senhorita (conotação diferente do Nordeste)
Moda: cantiga de viola (cantiga de moda)
Mundana: mulher da vida (do mundo)

No mais: ademais, além disso

Pacuera: as entranhas. Conjunto de traquéia, bofes, coração, fígado e baço de alguns animais, especialmente o boi, carneiro e porco. Pôr as pacueras de fora: pôr o peito, os sentimentos à mostra.
Pagode: festa, baile, farra. Pagode popular. O equivalente a pândega. Visível orientalismo.
Pajem: moça ou menina que toma conta de criança pequena
Pamonha: lerdo, mole, sem préstimo
Pantomima: comédia, encenação, drama de circo
Pidonho(a): pidão, pedichão
Pito: cachimbo de barro, com canudo (canudo de pito). Hoje, sinônimo de cigarro: Me dá um pito. Também repressão, advertência.
Pururuca: couro torrado, torresmo
Puta: prostituta, usado correntemente no sentido de grande, enormidade

Quirera: mistura de milho e farelo própria para pintos e galinhas; coisa insignificante

Rabeira: ficar para trás, o último colocado
Rabicho: peça do arreio. O termo é usado também para significar atração sensual, amor constante, namoro
Repassar: remontar, revisar. Repassar o cavalo.

Sacudido: forte, valente, saudável
Sapeca: levada, leviana; carne mal-passada (sapecada)
Sororoca: rumor da respiração dos moribundos. Está com sororoca: está morrendo.
Sufragante: flagrante, surpresa; a “parte” (jurídico)
Supimpa: ótimo, excelente
Sustância (substância): força, coragem, energia

Tapera: casa velha e abandonada, ameaçando ruína; decadência
Toada: ritmo, marcação, marcha. Seguir numa toada.
Tobiano: raça cavalar de criação do brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar (Aluísio de Almeida); cavalo pampa ou malhado
Trabucar: trabalhar. “Quem não trabuca, não manduca” (provérbio citado por Amadeu Amaral)
Trabuco: garrucha
Trucar: provocar o adversário no jogo de truco; donde, trucada
Turuna: ótimo, excelente, bacana, cutuba. Usado para dar nome a animais domésticos
Tutu: virado de feijão (tutu-de-feijão). Empregado em relação às mulheres de formas atraentes: É um tutu.

Varar: atravessar, romper. Varei o campovarei o caminho. Muito usada a expressão varei a noite, no sentido de passá-la em claro; donde varação (“varar” canoas em terra)
Velhacar: assustar, empinar o cavalo; de velhaco

 

(Em Damante, Hélio. Folclore brasileiro: São Paulo. Rio de Janeiro, Funarte, 1980, p.16-18)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.